James T. Goodrich, o neurocirurgião que separou 17 gémeos siameses em toda a sua carreira, morreu, esta segunda-feira, em Nova Iorque, nos EUA, vítima de complicações por causa de Covid-19, avança a imprensa norte-americana.

De acordo com a CNN, que cita o hospital onde trabalhava James T. Goodrich, de 73 anos, sofreu complicações pulmonares depois de ter sido infetado com o novo coronavírus.

O hospital apelida Goodrich de pioneiro no terreno por ter ajudado crianças com condições neurológicas complexas e ter desenvolvido uma técnica para separar gémeos siameses ligados pelos cérebro, como é o exemplo de Jadon e Anias McDonald, dois gémeos de 13 meses que nasceram ligadas pela cabeça e que foram separadas pelo neurocirurgião em 2016.

James T. Goodrich saltou para as páginas dos jornais quando, em 2004, separou Carl e Clarence Aguirre, dois gémeos das Filipinas que partilhavam 8 centímetros de tecido cerebral. 

No total, o neurocirurgião separou 17 gémeos siameses em toda a sua carreira, sendo que em todo o mundo foram realizadas, desde 1952, 59 cirurgias deste género.

Os EUA são atualmente o país com mais casos de infeção pelo novo coronavírus - quase 175 mil casos confirmados - e 3.400 mortes. 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 800 mil pessoas em todo o mundo, registando-se perto de 40.000 mortes, desde que surgiu na China em dezembro passado.