O dono de uma clínica de fertilidade holandesa será o pai de dezenas de crianças concebidas através de tratamentos realizados nesse centro, nos anos 80. 

Jan Karbaat, que morreu em abril aos 89 anos, será o pai de cerca de 60 pessoas que nasceram através de procedimentos realizados no centro de reprodução assistida que ele próprio fundou em Bijdorp, perto de Roterdão. O médico terá usado o seu próprio sémen para colmatar o défice de doações que existia na altura.

A clínica encerrou em 2009, quando foi noticiado que Karbaat cometeu uma série de irregularidades. Segundo estes relatos, o médico adulterou os dados de várias análises, modificou as descrições dos dadores e excedeu o número máximo de crianças por dador.

A polémica é antiga, mas, agora, o caso voltou a dar que falar na Holanda e os seus contornos não param de surpreender.

É que na sexta-feira, um tribunal holandês aprovou o pedido de dezenas de pessoas que pretendiam fazer testes de ADN para saber se são ou não filhos do médico.

Entre estes “filhos de Kaarbat” está Joey Hoofdamn, de 30 anos, que é "igual" ao especialista quando este tinha a sua idade.

Só em março deste ano é que Joey descobriu a verdade. Depois de muitas perguntas incómodas, a mãe contou-lhe que o pai que conheceu durante toda a vida não era, afinal, o seu pai biológico. O casal tinha recorrido a uma clínica de fertilidade e ao sémen de um dador anónimo para conseguir ter um filho.

Joey tem investigado a clínica e as polémicas à sua volta desde então. Pelo meio, deparou-se com uma fotografia de Kaarbat quando o médico tinha a sua idade e apanhou o susto da sua vida.

Estava totalmente em choque. Ele era igual a mim. Mostrei a fotografia a todos os meus amigos e todos diziam que era eu, quando era Karbaat”, frisou, em declarações ao El Mundo.

A clínica de Karbaat ajudou mais de 6.000 mulheres a engravidar. Não se sabe é de quem. E tal como Joey, há pelo menos 400 pessoas, nascidas por inseminação artificial em Bijdorp, que procuram saber quem é o seu pai biológico.

Até ao momento, 22 pessoas conseguiram confirmar que o seu ADN é igual ao de um dos filhos legais do médico. Mas estima-se que o número de "filhos de Karbaat" seja muito maior.

O próprio médico reconheceu, em 2011, que havia “pelo menos 60 crianças” nascidas do seu próprio esperma que podiam ter hoje entre 18 e 40 anos. A confissão foi feita a Moniek Wassenar, uma das suas "alegadas filhas", quando esta foi procurar o especialista.

Os “filhos de Karbaat” sentem que o médico enganou as suas mães, mas, a verdade, é que o especialista poderá ter agido dentro da lei. Só em 1994 é que o Supremo Tribunal da Holanda estabeleceu o direto dos filhos a conhecerem a identidade dos pais e só em 2000 é que o país instaurou uma lei, proibindo as doações anónimas.