A Eslovénia suspendeu esta quarta-feira a administração da vacina anti-covid da Johnson & Johnson até que as circunstâncias da morte de uma mulher inoculada com o fármaco sejam apuradas, no mesmo dia em que ocorre um protesto anti-vacinação no país.

A suspensão estará em vigor até que os especialistas avaliem se existe uma ligação entre a morte da mulher de 20 anos, que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), e a vacina que recebeu duas semanas antes, segundo explicou o ministro da Saúde esloveno, Janez Poklukar, citado pelas agências internacionais.

A administração da vacina unidose da farmacêutica Janssen, subsidiária europeia do grupo Johnson & Johnson, ganhou forte expressão nas últimas semanas na Eslovénia, após as autoridades eslovenas terem apostado na utilização do certificado digital covid-19 para permitir o acesso a vários setores de atividade, incluindo para ir trabalhar nas empresas estatais.

Em resposta à crescente procura, o governo de Ljubljana aprovou a compra de mais 100 mil doses adicionais da vacina unidose à Hungria.

A morte desta jovem mulher é o segundo caso de efeitos adversos sérios potencialmente associados à vacina da Janssen que é registado na Eslovénia, segundo informou a agência de notícias estatal STA, que indicou que cerca de 120.000 pessoas no país foram inoculadas com este fármaco.

Os benefícios continuam a superar os riscos”, frisou o ministro da Saúde esloveno.

O anúncio desta quarta-feira coincide com a realização na capital do país, Ljubljana, de um protesto anti-vacinação e contra as restrições impostas no contexto da pandemia do novo coronavírus e poderá inflamar os ânimos dos manifestantes.

Em protestos semelhantes anteriores, que conseguiram reunir milhares de pessoas, foram registados confrontos entre os manifestantes e as forças policiais.

Antes do início da manifestação desta quarta-feira, a polícia eslovena colocou vedações metálicas na zona da cidade onde irá decorrer a ação e instou os participantes a permanecerem calmos.

Segundo a agência Associated Press (AP), milhares de pessoas estavam a convergir para o local da manifestação.

À semelhança de outros países da Europa Central e Oriental, a Eslovénia, estado-membro da União Europeia (UE) que atualmente detém a presidência do Conselho do bloco europeu, registou nas últimas semanas um aumento das infeções pelo novo coronavírus.

O país, com uma população na ordem dos dois milhões de pessoas, já vacinou completamente quase 48% da população, um valor bastante inferior quando comparado com outros Estados da UE.

A Eslovénia recomendou o uso da vacina do grupo Johnson & Johnson a todas as pessoas com mais de 18 anos de idade, ao contrário de alguns países que limitaram a sua utilização às pessoas mais idosas.

A covid-19 provocou pelo menos 4.762.596 mortes em todo o mundo, entre 232,78 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse (AFP).

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Agência Lusa / NM