Foi lançada no Japão uma aplicação que permite às mulheres identificar agressores sexuais. A tecnologia faz com que o telefone emita um som e uma mensagem que informam as pessoas à volta de que existe um assediador por perto. A Digi Police, nome da app, destina-se às mulheres que andam de comboio.

Ao ser acionado o alarme, o telemóvel emite um aviso de áudio em que se ouve uma voz a dizer “Pare!”, seguindo-se uma mensagem em que se lê “Está aqui um assediador. Por favor ajudem”.

A Digi Police existe há três anos e já conta com cerca de 237 mil downloads e com 10 mil novos utilizadores todos os meses, segundo a polícia japonesa, responsável pela introdução da tecnologia.

Segundo as autoridades nipónicas, a aplicação permite que as pessoas denunciem a situação sem se exporem visualmente, mantendo-se mais protegidas dos eventuais agressores.

O assédio nos transportes ferroviários japoneses, seja metro ou comboio, é um problema de há muito. Segundo dados da polícia de Tóquio, 900 casos de assédio sexual foram reportados por mulheres em 2017. No entanto, este é um flagelo mais antigo da sociedade japonesa. Em 2001 foram construídas carruagens dedicadas exclusivamente a mulheres, de forma a combater o assédio.

De acordo com a lei japonesa, os agressores sexuais enfrentam uma pena de seis meses de prisão ou multas de 50 mil yens (cerca de quatro mil euros). No caso de a situação aportar violência a pena pode chegar aos 10 anos.

Inicialmente construída para ajudar idosos e crianças em situações complicadas, a Digi Police ganhou fama entre a comunidade feminina, sendo hoje o principal público da aplicação japonesa.