O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, salientou esta quarta-feira, em Estrasburgo, que sem um acordo de saída com o Reino Unido "todos perdem", mas lembrando que quem quis sair foi Londres.

Falando num debate no Parlamento Europeu (PE) sobre o processo de ‘divórcio' da União Europeia (UE) lançado por Londres, Juncker sublinhou que "sem acordo todos perdem”, mas acrescentou que não se pode “admitir que não haja acordo".

Queremos negociar com toda a justiça e abertura mas sem sermos ingénuos", disse, sublinhando que "o Reino Unido é que deixa a UE e é importante ter isso em conta".

O líder do executivo comunitário acrescentou, no debate com os eurodeputados sobre o `Brexit` que a primeira tarefa da equipa de negociadores europeus, liderada por Michel Barnier, é a de "deixar bem claro o processo de saída" e só depois disso se podem negociar parcerias e acordos com o Governo britânico.

A escolha do Reino Unido inaugura o final de uma UE a 28 e isso deixa-me triste porque vai contra o sentido da história", adiantou Juncker.

Com a invocação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa, no dia 29 de março, Londres lançou formalmente o processo de saída da UE.

No próximo dia 29, os líderes dos 27 países da União Europeia reúnem-se para definir a sua posição e mandatar Barnier para iniciar as negociações de um tratado de saída, que deverão demorar dois anos.