“A crise (dos migrantes) mostrava que os países estavam isolados a tratar de assuntos nacionais. A União Europeia (UE) só tem uma fronteira (externa) e há uma responsabilidade partilhada para a proteger”, argumentou Juncker, garantindo que os Estados-membros continuam responsáveis pelas suas fronteiras.







"Amanhã (quinta-feira, na cimeira de Chefes de Estado e do Governo em Bruxelas) exortarei a uma resposta positiva e urgente a todas estas questões", anunciou.