A marca de luxo Tous está a ser acusada em Espanha de vender joias banhadas a prata e ouro, mas com o interior preenchido com outros materiais para baixar os custos.

Em causa está a denúncia de uma associação de consumidores, a Consujoya, que diz ter encontrado peças num material não metálico dentro dos conhecidos pendentes em forma de urso.

O Tribunal Nacional espanhol abriu um processo contra a empresa por alegada fraude e publicidade enganosa. De acordo com o relatório da Guardia Civil, conhecido nesta quinta-feira, a marca não está a cumprir a lei ao vender joias de luxo com o "interior preenchido com material não metálico". 

O relatório das autoridades espanholas considera ainda que "o objetivo desta prática é reduzir custos", mantendo o peso e a aparência de uma peça sólida.

Uma prática que, segundo a polícia, é ilegal, uma vez que o preenchimento de peças de metais preciosos é permitido apenas “em três casos que não correspondem aos estudados”: pode ser usado para dar estabilidade apenas a vasos, castiçais ou similares, mas “não para peças de joalharia”, sublinha o relatório.

O juiz Santiago Pedraz interrogou, na manhã de quarta-feira, o representante da empresa e o do laboratório de Barcelona Applus Laboratories, que certifica a qualidade das joias da marca.

José María Bosch, diretor-geral da Tous, reconheceu perante o tribunal, que "as peças de prata da marca são preenchidas com um material semelhante ao metacrilato", um componente do acrílico, acrescentando que esta é uma técnica permitida por lei.

Ainda assim, a empresa vai responder pelos crimes de publicidade enganosa, fraude continuada, falsificação de documentos e corrupção. A Tous já apresentou recurso.

Magdalena Entrenas, advogada da associação de consumidores Consujoya, defende que a Tous "não foi capaz de negar as provas" de que algumas peças têm um recheio não metálico. "Digam que é revestido ou tem revestimento de ouro ou prata, mas não o vendam pelo preço de ouro ou prata quando não for", reforçou.

A Associação Espanhola de Joalheiros também se pronunciou, em comunicado, em defesa da marca de luxo:

A tecnologia usada pela Tous é comum, normal e habitual no setor" defende a associação.