O Congresso dos Estados Unidos aprovou na sexta-feira à noite o vasto plano de investimento em infraestruturas do Presidente norte-americano, Joe Biden. O presidente tem agora de assinar o texto para permitir a entrada em vigor.

A adoção deste plano de 1,2 biliões de dólares pela Câmara dos Representantes, constitui uma meia vitória para o Presidente norte-americano que não conseguiu obter uma votação na sexta-feira sobre o seu outro gigantesco plano de investimentos nos domínios social e ecológico.

Os Democratas conseguiram ainda assim aprovar o plano de modernização de estradas, pontes e Internet de banda larga, considerado um dos mais ambiciosos da história americana moderna. O pacote de reformas é considerado "histórico" e irá apoiar a expansão da rede de Internet de alta velocidade em todo o país e ainda dar incentivos a uma maior protecção contra os efeitos das alterações climáticas.

Os Democratas ganharam 228 a 206, graças à contribuição dos votos republicanos, tendo a aprovação da lei sido saudada por uma salva de palmas.

Joe Biden, que necessita urgentemente de revitalizar a sua presidência, esperava na manhã de sexta-feira fazer passar duas importantes peças legislativas pela Câmara dos Representantes: o plano de investimento e um vasto programa de revisão do sistema de bem-estar e de luta contra o aquecimento global na ordem dos 1,75 biliões de dólares.

Mas a liderança democrática teve de abandonar a votação para aprovar este último texto, com a ala centrista do partido a exigir números mais precisos. As franjas moderadas e progressistas do partido chegaram finalmente a acordo sobre uma votação processual para iniciar o processo parlamentar.

Joe Biden, enfrentando uma queda de popularidade um ano antes das eleições intercalares, disse que o seu vasto programa social deveria ser votado pela Câmara até à semana de 15 de novembro, o mais tardar.

/ MJC