O gigantesco plano de reformas sociais do presidente norte-americano, Joe Biden, foi aprovado pela Câmara dos Representantes, nesta sexta-feira, no que representou uma vitória fundamental antes da sua análise pelo Senado, que se prevê difícil.

O texto, designado “Build Back Better” (“Reconstruir Melhor”, na tradução), é um plano social e ambiental de 1.800 mil milhões de dólares (cerca de 1.570 mil milhões de euros), que prevê nomeadamente infantário para todos, créditos fiscais para as famílias norte-americanas e investimentos substanciais para reduzir as emissões de gases com efeito-de-estufa.

Esta votação, na câmara baixa do Congresso dos Estados Unidos, ocorreu três dias após a assinatura pelo presidente democrata da primeira parte do seu grande plano económico, a sua lei das infraestruturas, o maior programa de obras públicas no país desde que Dwight Eisenhower criou a rede de autoestradas interestaduais, em 1956.

Agora, a próxima etapa para o plano “Reconstruir Melhor” será o Senado, a câmara alta do parlamento norte-americano, onde a sua aprovação se anuncia difícil, antes de regressar à câmara baixa, provavelmente em dezembro ou janeiro.

“Temos um texto ‘Build Back Better’ histórico, vetor de transformações e mais importante que tudo o que fizemos antes”, declarou a presidente democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, antes da votação.

Discurso de oito horas... contra o presidente

A votação estava agendada para quinta-feira à noite, mas o líder republicano da câmara baixa, Kevin McCarthy, atrapalhou os planos da maioria democrata ao fazer um discurso de cerca de oito horas e meia – o mais longo alguma vez proferido naquela sala -, desde pouco depois das 20:30 até às 05:00 locais, em que criticou Biden, os democratas e a lei, fazendo uso de uma norma que permite aos líderes partidários falarem tanto tempo quanto desejarem.

Num comunicado hoje divulgado, Biden congratulou-se com a aprovação pela Câmara dos Representantes do seu plano de despesas sociais, afirmando que o seu programa económico deu “mais um passo gigante”.

A Casa Branca promete que as ambiciosas reformas do plano “Build Back Better” criarão milhões de empregos, enquanto os republicanos a veem como um exemplo do que condenam como a loucura despesista dos seus adversários democratas.

Como a câmara alta do Congresso norte-americano está dividida exatamente ao meio (50 senadores de cada partido), todos os democratas têm o que se assemelha a um direito de veto sobre qualquer projeto de lei, se os republicanos cerrarem fileiras.

/ BMA