A variante Beta pode ser a próxima grande preocupação da Europa, que está ainda a tentar lidar com a ameaça da variante Delta. O professor John Edmunds, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, alerta que esta mutação pode ter uma maior resistência às vacinas.

Para o especialista, esta continua a ser uma ameaça, até porque aquela mutação, inicialmente detetada na África do Sul, é a principal responsável pelo aumento de contágios em França.

É por isso mesmo que o Reino Unido colocou França na lista âmbar (a mesma onde está Portugal), que cataloga países como zonas de variantes de risco.

Em entrevista à BBC, John Edmunds admite que esta variante é menos contagiosa que a Delta, mas afirma que a mesma parece apresentar uma maior quebra de eficácia nas vacinas disponíveis.

À medida que a população fica mais imunizada, as condições ficam favoráveis para que a variante Beta tenha uma vantagem", referiu, percebendo a restrição aplicada pelo Reino Unido a França.

O especialista diz que a sua opinião é sustentada em vários estudos desenvolvidos, nomeadamente na África do Sul, e que confirmaram uma menor eficácia da vacina da AstraZeneca perante a variante Beta.

Por agora, e tal como Portugal, o Reino Unido está ainda a tentar controlar uma nova vaga de covid-19, cuja grande responsável foi a variante Delta, que já é predominante nos dois países.

António Guimarães