O Departamento de Justiça e a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos estão a investigar a Johnson & Johnson pela possibilidade de o seu famoso pó de talco estar contaminado com amianto.

Segundo o The New York Times, o anúncio foi feito pela própria empresa, que está a “cooperar com as investigações do governo e a preparar respostas” às intimações de que tem sido alvo.

Em comunicado, afirmam que “as investigações estão relacionadas com notícias” sobre os milhares de processos judiciais por parte dos consumidores que alegam que os produtos à base de pó de talco provocam cancro.

Em dezembro do ano passado, o The New York Times e a a agência noticiosa Reuters divulgaram uma série de documentos internos que mostravam anos de correspondência dentro da empresa sobre o risco de amianto nos produtos, bem como a estratégia da Johnson's de ocultar essas informações do público.

Desde então que as ações da empresa caíram a pique e, até hoje, ainda não recuperaram.

Com cerca de 13 mil processos judiciais pendentes, a empresa norte-americana, sediada em Nova Jérsia, garante que “testes independentes feitos por reguladores e laboratórios líderes a nível mundial demonstraram que o pó de talco é seguro, livre de amianto, e não provoca cancro”.

No entanto, isso não impediu que, em julho do ano passado, um tribunal tivesse condenado a empresa a pagar mais de 4 mil milhões de euros a 22 mulheres com cancro nos ovários. Seis destas acabaram mesmo por morrer.