Um dos mergulhadores que ajudou a salvar as 12 crianças e o treinador presos numa caverna, na Tailândia, no ano passado, teve de ser resgatado de uma gruta inundada, nos EUA, esta quarta-feira.

Josh Bratchley estava a explorar uma caverna submersa em Jackson, no Tennessee, quando acabou por ficar preso. O mergulhador britânico deveria ter retornado a casa na terça-feira, às 15 horas, mas a sua ausência fez soar o alarme.

As autoridades foram alertadas por causa do desaparecimento e vários mergulhadores norte-americanos foram chamados ao local para ajudar nas buscas. O sistema de cavernas é especialmente perigoso, por causa da profundidade e composição. As paredes da gruta são baixas e arenosas e há poucas bolsas de ar fora de água para poder respirar.

De acordo com a BBC, a equipa de resgate teve de entrar na caverna, com 120 metros de profundidade, e demorou cerca de uma hora a resgatar Josh Bratchley.

“Chegámos à bolsa de ar e, impressionantemente, lá estava ele, calmo”, contou Edd Sorenson, um dos mergulhadores que participou na operação de salvamento, à publicação britânica. Um facto impressionante, uma vez que Josh Bratchley ficou 28 horas preso na caverna submersa.

 

“Ele apenas disse: ‘obrigado, obrigado. Quem é o senhor?”.

O mergulhador britânico foi avaliado por uma equipa médica, que que atestou que o estado de saúde estava “estável”.

Segundo Derek Woolbright, outro dos colegas encarregue do salvamento, Josh Bratchley estava tão tranquilo que o único pedido que fez foi para comer piza.

Josh Bratchley trabalha como meteorologista da força aérea britânica no País de Gales. O mergulhador fez parte da equipa de especialistas que ajudaram a salvar os 12 estudantes e o treinador de futebol que ficaram presos numa gruta inundada na Tailândia, em junho de 2018.