O presidente do Haiti foi assassinado esta quarta-feira em casa. A notícia está a ser avançada pela agência de notícias AFP, que cita o gabinete do primeiro-ministro interino.

O crime deu-se na sequência de um ataque perpetrado por um grupo de indivíduos ainda não identificados, que invadiram a casa de Jovenel Moise. Na sequência do ataque a primeira-dama ficou ferida, tendo sido posteriormente hospitalizada.

O ataque aconteceu durante a noite, e a imprensa local refere que foram disparados vários tiros.

O assassinato do presidente do Haiti surge numa altura de grande instabilidade política, com a formação de muitos gangues. O primeiro-ministro, Claude Joseph, informou que vai ficar responsável pelas decisões políticas do país.

O primeiro-ministro condenou aquilo que classificou como sendo um "ato de ódio, desumano e bárbaro", acrescentando que a Polícia Nacional do Haiti e outras autoridades estão a manter o controlo da situação no país caribenho.

Jovenel Moise, de 53 anos, era presidente do Haiti há mais de dois anos, governando por decreto depois de o país não ter conseguido realizar eleições.

António Guimarães