Funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (Sebin, serviços secretos) detiveram esta quarta-feira o vice-presidente do parlamento, Edgar Zambrano.

O anúncio foi feito pelo próprio Edgar Zambrano, através do Twitter. O venezuelano afirmou que foi surpreendido pelos serviços secretos venezuelanos, denominados SEBIN, que o cercaram e impediram de sair do carro. Depois, foi levado para a sede dos SEBIN em Caracas.

Fomos surpreendidos pelo Sebin, como nos negámos a sair da nossa viatura, usaram uma grua para transportar-nos de maneira forçada diretamente ao Helicoide [prisão do Sebin]. Nós democratas vamos continuar a lutar", escreveu.

Numa outra mensagem, publicada na mesma rede momentos antes, o deputado alertava o povo venezuelano de que se encontrava dentro da sua viatura junto da sede do seu partido, a Ação Democrática, em La Florida (centro-leste de Caracas), "cercados pelo Sebin".

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela acusou o vice-presidente do parlamento de vários crimes, como traição à pátria e conspiração, por ter apoiado uma tentativa de golpe de Estado contra o Presidente do país, Nicolás Maduro.

Segundo o Supremo, o deputado opositor Edgar Zambrano é responsável pelos crimes de "traição à pátria, conspiração, incitação à revolta, rebelião civil, associação para cometer delito, usurpação de funções, incitamento público à desobediência das leis e ódio continuado".

Estes crimes estão previstos no Código Penal venezuelano e na Lei Contra Criminalidade Organizada e Financiamento do Terrorismo, explicou.

O Supremo Tribunal de Justiça em pleno ordena que, em virtude do desrespeito do parlamento [onde a oposição detém a maioria e cujo presidente é Juan Guaidó, autoproclamado presidente do país] a várias sentenças e decisões daquele organismo, seja remetida uma cópia certificada da acusação à Assembleia Constituinte [composta por simpatizantes do regime] para a sua informação e outros fins", explica.

Ao procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, foi remetida a informação para continuar com o respetivo processo de penal.

Edgar José Zambrano Ramírez nasceu em Barquisimeto, Venezuela, em 20 de julho de 1955. É advogado e político, sendo atualmente deputado e vice-presidente do parlamento. Entre 2016 e 2018 foi presidente da Comissão Permanente de Defesa e Segurança deste órgão.

É, também, vice-presidente do partido opositor Ação Democrática, um dos mais antigos do país.

Na terça-feira, 30 de abril, Edgar Zambrano, apareceu publicamente em Altamira (leste de Caracas) junto ao autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e ao político opositor Leopoldo López, apelando à população para ir para as ruas com vista a depor o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Juan Guaidó, que se autoproclamou em janeiro presidente interino da Venezuela e teve na altura o apoio de mais de 50 países e desde a primeira hora dos Estados Unidos, desencadeou na madrugada de 30 de abril um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.