É mais uma semana de julgamento do processo que o ator Johnny Depp moveu contra o jornal The Sun. Os holofotes estão apontados para o Supremo Tribunal de Londres, mas a curiosidade do caso chega a todos os cantos do mundo. Em causa está um artigo, em que o jornal britânico chamou o ator de "espancador de mulheres".

De acordo com uma declaração da advogada do The Sun no tribunal, Depp atacou violentamente a ex-mulher, pelo menos 14 vezes durante três anos – a partir de 2013 – quando era invadido por ciúmes, ao mesmo tempo que consumia grandes quantidades de álcool e drogas.

Dep e Heard conheceram-se durante a rodagem de um filme em 2011 e casaram-se quatro anos depois. Em maio de 2016 separaram-se com um acordo de sete milhões de dólares.

Uma paz que só durou até Heard ter escrito, em dezembro de 2018, um artigo a dizer que era uma sobrevivente de violência doméstica, sem nunca citar o nome do ator.

Já em tribunal, Heard, de 34 anos, afirmou que Depp “uma capacidade enorme em manipular as pessoas".

"Ele tinha uma maneira violenta e sombria de falar: a maneira como ele falava sobre a nossa relação…dizia-me que a morte era a única maneira de sair da relação", recordou.

Depp “ameaçou matar-me muitas vezes”

Heard compareceu em tribunal ao décimo dia do caso, e sua declaração por escrito também foi submetida.

Nela, a atriz acusou Depp de abuso físico e verbal, incluindo “gritar, humilhar, ameaçar, bater, dar pontapés, dar cabeçadas e sufocá-la”, além de ter um "comportamento extremamente controlador e intimidador".

"Alguns incidentes foram tão graves que eu tinha medo que ele me matasse, fosse de forma intencional ou simplesmente que ele perdesse o controlo da situação”, contou.

No seu interrogatório, Heard também descreveu a visita que fez com o ator à Austrália em março de 2015, durante as filmagens do Pirata das Caraíbas, e disse que se tinha sentido "refém durante três dias".

Ela disse que durante esse tempo houve “atos extremos” de violência “psicológica, física e emocional (…) Foi a pior coisa pela qual passei. Fiquei com o lábio e o nariz feridos”, contou.

“Ele estava a pressionar tanto o meu pescoço que eu não conseguia respirar. Estava a tentar dizer-lhe isso. Lembro-me de pensar que ele me iria matar naquele momento”, contou.

Heard referiu em tribunal que, de todas as vezes que “perdeu a calma”, foi em legítima defesa.

O ator, de 57 anos, referiu em tribunal, na semana passada, que todas as acusações de Heard eram falsas. Depp nega ainda ter sido violento com ela ou com qualquer outra mulher.

Ciúmes dos colegas de trabalho

Amber também lembrou que nenhum dos seus colegas de trabalho escapou às acusações de Depp.

“Ele acusou-me de ter tido casos com cada um dos meus colegas de elenco, filme, após filme: Eddie Redmayne, James Franco, Jim Sturgess, Kevin Costner; até mesmo mulheres como Kelly Garner”, explicou Heard.

“Ele também me acusou de ter tido um caso com Leonardo DiCaprio”, acrescentou.

Para controlar Heard, a atriz disse que, por diversas vezes, o ator via o seu telemóvel.

Lara Ferin