O ex-juiz espanhol Baltazar Garzón afirmou que esta decisão “acaba com a via judicial nacional”, seguindo-se agora o recurso “às instâncias internacionais para a salvaguarda dos direitos gravemente atacados”.