Um jovem apoiante do movimento argelino de protesto antirregime "Hirak" foi condenado hoje a três anos de prisão efetiva por publicar na internet mensagens que troçavam do Presidente da Argélia e da religião muçulmana, segundo uma organização não-governamental.

Walid Kechida infelizmente foi condenado a três anos de prisão efetiva e a pagar uma multa. É muito grave, pois hoje esperávamos pela sua libertação ou mesmo pela sua absolvição”, disse à agência de notícias AFP Kaci Tansaout, coordenador do Comité Nacional para a Libertação de Prisioneiros (CNLD), associação que ajuda presos de consciência na Argélia.

Agora devemos mobilizar-nos ao lado dos advogados no processo de recurso”, acrescentou Tansaout.

Esta pesada sentença foi confirmada por um dos advogados, Moumen Chadi.

O Ministério Público de Sétif (nordeste) havia pedido cinco anos de prisão para Walid Kechida, de 25 anos, acusado de "insultar o Presidente (argelino, Abdelmadjid Tebboue)”, "os preceitos do Islão" e de ultraje às instituições, segundo o Comité Nacional para a Libertação de Prisioneiros (CNLD), uma associação que ajuda prisioneiros de consciência na Argélia.

O ativista, conhecido entre os jovens de Sétif, está em prisão preventiva há mais de oito meses por ter publicado nas redes sociais mensagens e imagens humorísticas sobre as autoridades e a religião.

Muitos ativistas do "Hirak" foram presos, julgados e condenados na Argélia num clima de repressão contra opositores, ‘bloguers’ e medias independentes.

De acordo com o CNLD, prisões e detenções visando ativistas antirregime são uma ocorrência diária, apesar da interrupção das manifestações semanais do "Hirak" desde meados de março devido à pandemia da covid-19.

/ BC