Um jovem italiano foi detido na passada quinta-feira, em Valencia, Espanha, depois de violar uma menor britânica a bordo de um cruzeiro entre Maiorca e aquela cidade. O homem ficou em liberdade por os atos terem acontecido em águas internacionais e nenhum dos envolvidos ser residente em Espanha.

A jovem de 17 anos denunciou o caso e os médicos comprovaram a existência de sinais de abuso sexual, mas as autoridades espanholas não puderam deter o alegado agressor por não serem residentes em território espanhol, além de os atos terem tido lugar em águas internacionais, escreve o diário Levante.

O tribunal não acusou o detido e libertou-o por falta de jurisdição uma vez que a lei da justiça universal foi revogada em 2014.

A vítima contou às autoridades que foi abordada pelo jovem durante a viagem, que a levou à força para o quarto dele, acabando por consumar a violação.

A jovem e os pais comunicaram ao capitão do navio os acontecimentos, que chamou a Polícia Nacional para que a vítima formalizasse uma queixa.

Foi ainda conduzida ao hospital para as perícias médicas, que confirmaram a violação. As autoridades também estiveram no camarote do agressor para recolher provas.