O primeiro-ministro da Austrália disse que o seu governo está "muito triste e preocupado" com a decisão de um tribunal chinês de condenar à morte um cidadão australiano por tráfico de droga.

Scott Morrison garantiu que abordou repetidamente com a China o caso de Karm Gilespie, ex-ator de 56 anos, que foi preso, em 2013, no aeroporto de Baiyun, na cidade chinesa de Cantão, depois de ter tentado embarcar num voo internacional com mais de 7,5 quilogramas de metanfetaminas na bagagem.

O Tribunal Popular Intermédio de Cantão anunciou no sábado que Gilespie foi condenado à pena de morte e ordenou a confiscação de todos os seus bens pessoais.

Scott Morrison revelou que a ministra dos Negócios Internacionais da Austrália, Marise Payne, e outras autoridades australianas referiram o caso com os seus homólogos chineses em várias ocasiões.

"Eu e restantes membros do governo estamos muito tristes e preocupados que um cidadão australiano, Karm Gilespie, tenha sido condenado à morte na China", disse Morrison no parlamento australiano.

"Continuaremos a prestar assistência consular a Gilespie e a dialogar com a China neste caso. Os nossos pensamentos estão com ele, a sua família e os seus entes queridos", acrescentou.

A sentença ocorre num período de tensão nas relações bilaterais, depois de a Austrália ter pedido uma investigação independente sobre a pandemia do novo coronavírus, que teve origem na China, no final do ano passado.

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China Zhao Lijian garantiu hoje que a sentença não está relacionada com essas tensões.

"A aplicação da pena de morte a crimes envolvendo tráfico de droga, que causam danos extremamente graves, pode ajudar a dissuadir e prevenir crimes", defendeu Zhao.

A Austrália deve "respeitar a soberania judicial da China. O caso mencionado não tem nada a ver com as relações bilaterais", acrescentou.

A China baniu, no mês passado, as importações de carne bovina dos maiores matadouros da Austrália e alertou os cidadãos chineses a não visitarem o país, devido a alegados ataques racistas.

Gilespie é um de 62 australianos detidos na China, disse o Departamento de Negócios Estrangeiros e Comércio da Austrália. A maioria está presa por tráfico de drogas e acusações de fraude.

Gilespie tem 10 dias para recorrer da sentença.

Gilespie fez aparições ocasionais como personagem no popular drama policial australiano "Blue Healers", nos anos 90, e percorreu o país a realizar espetáculos a solo sobre o poeta australiano Banjo Paterson, antes de se reinventar como empreendedor e orador motivacional.

. / AM