A mãe do autor do ataque de Londres, Khalid Masood, quebrou o silêncio e fez uma declaração em que condena o ato radical do filho. Protegida pela polícia por medo de represálias, Janet Ajao estava até ao momento "triste demais" para comentar o ataque na ponte de Westminster, em que morreram quatro pessoas e dezenas ficaram feridas, referem agentes britânicos encarregados de a proteger.

Numa declaração divulgada esta segunda-feira, e a que a BBC faz referência, Janet Ajao realça que a ideia do comunicado é deixar claro que não desculpa o ataque nem compactua com as ideias radicais do filho.

Estou tão profundamente chocada, entristecida e entorpecida pelas ações que o meu filho tomou, que mataram e feriram pessoas inocentes em Westminster", declarou Janet Ajao, que deu à luz ainda adolescente, aos 17 anos.

 Eu quero deixar totalmente claro, para que não haja qualquer dúvida, eu não aceito as suas ações nem apoio as crenças que ele tinha, que o levaram a praticar esta atrocidade", referiu.

Na última quarta-feira, a 22 de março, Khalid Masood, que nasceu Adrian Russell Ajao, em Kent, Inglaterra, há 52 anos, matou quatro pessoas, feriu 40 e acabou morto pela polícia no centro turístico e político da capital do Reino Unido.

O ataque de Westminster foi posteriormente reivindicado pelo autodenominado Estado Islâmico, mas a polícia referiu esta segunda-feira não haver quaisquer dados que indiquem que Khalid Masood tivesse ligações a esse grupo ou à Al-Qaeda.

Desde que descobriu a autoria do crime, Janet Ajao diz ter derramado "muitas lágrimas" pelas pessoas envolvidas no que chamou de "horrendo incidente".

“Eu chorei muitas lágrimas pelas vítimas”, declarou.

Antes de ser protegida pela polícia britânica, Janet Ajao teve a casa revistada. Mais tarde, os agentes confirmaram que não seria investigada como suspeita.

Janet Ajao vive na aldeia rural de Trelech, em Carmarthenshire, a mais de 320 quilómetros de distância da cena do ataque. Descartada como cúmplice, a mulher de 69 anos está cercada por agentes britânicos, preocupados que ela sofra represálias pelos atos do filho.

Na mensagem que divulgou esta segunda-feira, Janet Ajao expressa ainda profundo agradecimento aos “amigos, família e comunidade” pelo apoio que lhe têm dado.

Vizinhos de Janet Ajao contaram à imprensa local que ela é uma "senhora respeitável", que tem um negócio no ramo dos têxteis: almofadas, bolsas e cobertores feitos artesanalmente. Aos 17 anos, deu à luz Adrian Elms, sem o apoio do pai biológico da criança. Casada mais tarde com Philip Ajao, a quem Khalid Masood (Adrian Russell Ajao) chamaria de pai, a mulher viveu em Tunbridge Wells até se mudar para Essex, localidade em que o filho passou a conviver com o mundo do crime.

Ainda de acordo com a imprensa local, mãe e filho separaram-se justamente pelo histórico violento de Khalid Masood: preso em 2000 e 2003, o autor do ataque a Londres viu os parentes mudarem-se para o País de Gales em busca de uma vida nova.

Aline Raimundo