O líder norte-coreano, Kim Jong-un, declarou que ter cães como animais de estimação é "um símbolo da decadência capitalista" e ordenou que estes animais fossem confiscados aos donos.

A posse de animais de estimação é ilegal na Coreia do Norte, desde julho. Kim Jong-un chega mesmo a considerar que ter um cão em casa é "uma tendência contaminada pela ideologia burguesa".

Os donos de cães temem agora que os seus animais sejam utilizados para resolver a escassez de alimentos na Coreia do Norte.

As autoridades identificaram famílias com cães de estimação e estão a forçá-las a dá-los ou estes serão confiscados à força e abatidos", denunciou uma fonte não identificada ao jornal sul-coreano Chosun Ilbo.

A mesma fonte adianta que alguns dos cães são transportados para jardins zoológicos geridos pelo governo norte-coreano, ou vendidos a restaurantes que confecionem carne de cão.

Um estudo recente das Nações Unidos revela que cerca de 60% da população da Coreia do Norte enfrenta uma "escassez generalizada de alimentos" que tem sido agravada por sanções internacionais impostas ao regime pelos seus programas de mísseis nucleares.

A carne de cão é considerada uma iguaria na Península Coreana, embora a tradição de comer cão esteja a desaparecer gradualmente na Coreia do Sul.

No entanto, aquele que é apelidado como melhor amigo do homem ainda faz parte do menu na Coreia do Norte, com uma série de restaurantes de Pyongyang especializados em carne de cão. 

Rafaela Laja