Treze membros da polícia federal iraquiana foram mortos num ataque do grupo Estado Islâmico (EI) no posto de controle perto de Kirkouk (norte), na noite de sábado, segundo fontes médicas e de segurança citadas pela AFP.

Na região montanhosa e povoada, os grupos ‘jihadistas’ intensificaram os seus ataques ao exército e à polícia iraquianos, que decorrem desde o início do verão.

"Os membros tinham como alvo um posto de controle da polícia federal", disse à AFP uma fonte policial federal que manteve o anonimato.

A ofensiva começou "pouco antes da meia-noite e durou várias horas".

"Há 13 mortos e três feridos" do lado das forças de segurança, de acordo com a fonte.

Esta avaliação foi confirmada à AFP por uma fonte médica na cidade de Kirkouk, a 65 quilómetros a norte de Al Rashad, a zona onde ocorreu o ataque.

Esta é uma das ofensivas mais mortais contra as forças de segurança desde o início do ano, refere.

Até domingo de manhã, o EI não tinha reivindicado a responsabilidade pelo ataque, acrescenta a AFP.

Segundo a fonte, "as células da organização estão ativas na região ao redor de Kirkouk devido à falta de apoio aéreo e à falta de apoio militar".

No final de 2017, o Iraque declarou sua "vitória" militar sobre o EI depois de retomar todas as principais cidades que os jihadistas mantinham desde 2014, mas as células continuam a operar em algumas áreas remotas do norte do Iraque, em particular, e atingir as forças de segurança.

Os jihadistas também reivindicaram a responsabilidade pelo último grande ataque em Bagdad, que matou mais de 30 pessoas num mercado num bairro xiita em julho.

No último domingo, o presidente francês Emmanuel Macron, em visita ao Curdistão iraquiano, expressou preocupação com o "ressurgimento" do EI no Iraque e na Síria, explicando que os soldados franceses destacados no Iraque permaneceriam no país "independentemente das escolhas americanas".

Dos 3.500 soldados estrangeiros presentes no Iraque, 2.500 são americanos, mas, a partir do próximo ano, estarão limitados a um papel de "treinadores" e "conselheiros" do exército iraquiano.

/ RL