O Kuwait projeta estabelecer uma nova cidade no local de um antigo aterro que continha milhões de pneus, que deverão ser reciclados.

Foi neste aterro de dois milhões de metros quadrados, situado a 35 quilómetros da Cidade do Kuwait, que os pneus usados acabaram os seus dias neste país do Golfo rico em petróleo.

Antes de ser totalmente esvaziado este ano, continha mais de 40 milhões de pneus e foi classificado pelas autoridades como o maior "cemitério de pneus" do mundo.

Após 17 anos de existência e três incêndios de envergadura, entre 2012 e 2020, as autoridades decidiram encerrar o local.

"Estamos a sair de uma fase difícil caracterizada por um grande risco ambiental”, disse hoje o ministro do Petróleo, Mohammed Al-Fares, falando no local do antigo aterro.

Hoje, o local está em condições. Todos os pneus foram retirados para o projeto da cidade de Saad Al-Abdallah poder ser lançado", acrescentou, referindo o nome de um antigo emir do Kuwait.

Durante os últimos meses, camiões transportando os pneus fizeram mais de 44.000 viagens desde o aterro até à região de Al-Salmi (oeste), perto de uma zona industrial onde os pneus serão temporariamente armazenados, segundo Fares.

Os pneus serão cortados ou transformados para o mercado local ou para exportação, de acordo com o responsável.

A forma como serão armazenados obedece às normas internacionais", assegurou.

Segundo Abdallah Al-Sabah, diretor geral da autoridade pública ambiental, foi já criado um mecanismo para reciclar todos os pneus e evitar o surgimento de outro aterro.

"Há já uma fábrica que os transforma e esperamos encontrar outros fabricantes que contribuam para acabar com este problema dos pneus", declarou à AFP.

/ AG