A Lagoa Aculeo, em Paine, no Chile, secou completamente pela primeira vez em 2.000 anos. Agora, nos cerca de 12 quilómetros quadrados onde outrora havia água, resta apenas devastação.

Os investigadores da Unviersidade do Chile relacionam o desaparecimento da água com a expansão urbana, a intensificação da exploração agrícola e o fenómeno das alterações climáticas.

Dados estatais revelam que a população de Paine aumentou cerca de 45% entre 2002 e 2017.

As comunidades que se expandiram na região esgotaram a água da lagoa, construindo poços profundos e extraindo a água subterrânea do aquífero.

As atividades agrícolas, que consistem sobretudo em plantações agrícolas, retiravam água do subsolo e água diretamente da lagoa 24 horas por dia a um rácio de 16 litros por minuto.

Pablo Garcia, da Unviersidade do Chile, lamenta que não tenha havido um plano territorial na área e que o município tenha autorizado a exploração da terra sem considerar se havia ou não água suficiente para isso.