Pelo menos 15 mil crianças de refugiados sírios arriscam ficar sem teto e passar a viver nas ruas no Líbano, cujas autoridades planeiam demolir abrigos improvisados construídos pelos seus pais, advertiram esta terça-feira organizações não-governamentais.

Em abril, as autoridades deram aos refugiados sírios até 09 de junho para demolirem qualquer abrigo construído com tábuas de madeira ou lonas de plástico em Aarsal, região fronteiriça à Síria.

Nesta área do nordeste do Líbano, estão em causa mais de cinco mil estruturas, de acordo com três organizações não-governamentais internacionais de ajuda - Save the Children, World Vision et Terre des Hommes - pedindo ao Governo para recuar na decisão.

Para uma criança que mal se alimenta e que muitas vezes não vai à escola, perder a casa é extremamente traumático", sublinhou um responsável pela Terre des Hommes, Piotr Sasin, sediada na Suíça.

"A demolição de muitas dessas casas pode levar à destruição de saneamento e abastecimento de água, expondo as crianças a um alto risco de doenças", acrescentou.

Com uma população de quatro milhões de pessoas, o Líbano abriga entre 1,5 a dois milhões de sírios, sendo que um milhão destes estão registados pela ONU como refugiados.

As nossas equipas reúnem-se regularmente com as crianças que ainda estão traumatizados pela perda de suas casas na Síria", frisou Allison Zelkowitz, da Save the Children.

/ BM