A Unicef estimou hoje que cerca de 100.000 crianças foram afetadas pelas explosões em Beirute em 4 de agosto, apesar dos números ainda serem “confusos”, e alertou para a urgência em ajudar a atenuar as suas necessidades mais imediatas.

As explosões afetaram, entre outros, hospitais que sofreram graves danos, tal como centros de saúde e cerca de 120 escolas, além de se terem perdido as provisões de saúde que estavam armazenadas perto da capital libanesa em plena pandemia de Covid-19.

A diretora de Comunicação e Alianças Privadas da Unicef, uma agência das Nações Unidas, a espanhola Raquel Fernández, dizia num vídeo comunicado que entre as 100.000 crianças afetadas estão as vítimas mortais e feridas, mas também aquelas que perderam a sua casa ou que não encontram a sua família no meio do “caos”.

Segundo Raquel Fernández, estas crianças estão a sentir “o trauma do horror vivido” a que se soma a situação de crise económica e a pandemia de Covid-19 que atravessava o país antes da explosão, e, por isso, defendeu que a necessidade de proteger a infância nestes momentos é urgente.

Segundo esta porta-voz da Unicef, neste momento, as prioridades centram-se na compra de provisões de saúde e kits de higiene e água, e no apoio do programa de juventude pelo qual os jovens voluntários ajudam a limpar ruas e casas e a preparar e distribuir comida para as famílias mais vulneráveis.

Reunir crianças separadas das suas famílias, dar apoio psicossocial, reabilitar escolas e centros de saúde são também outras das prioridades destacadas pela Unicef.

São necessidades muito urgentes, imediatas e muito graves. A Unicef precisa de ajuda, necessita de fundos. As nossas necessidades iniciais são superiores a oito milhões de dólares e como sempre agradecemos muitíssimo a todo aquele que possa e queira apoiar”, apelou Raquel Fernández.

A Unicef trabalha, desde o primeiro dia, com as autoridades locais, organizações não-governamentais (ONG) e outros “aliados” no terreno.

Raquel Fernández dá exemplos de como ajudar e, entre outros, refere o transporte de medicamentos e vacinas que havia num armazém perto do porto de Beirute, e que foram levados para um outro mais seguro, e o programa de apoio à juventude e proteção infantil que presta apoio psicossocial às crianças afetadas.

Duas fortes explosões sucessivas sacudiram Beirute na terça-feira, causando, pelo menos 158 mortos e cerca de 6.000 feridos, segundo o último balanço feito pelas autoridades libanesas.

Até 300.000 pessoas terão ficado sem casa devido às explosões, segundo o governador da capital do Líbano, Marwan Abboud.

As violentas explosões deverão ter tido origem em materiais explosivos confiscados e armazenados há vários anos no porto da capital libanesa.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou que cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amónio estavam armazenadas no depósito do porto de Beirute que explodiu.

/ Publicada por ALM