As autoridades venezuelanas libertaram 316 detidos nas prisões de Uribana e Fénix, no Estado de Lara (centro do país), anunciou hoje a organização não-governamental (ONG) Uma Janela à Liberdade (UJL).

A libertação dos detidos, 312 homens e quatro mulheres, teve lugar entre sábado e domingo.

Foram beneficiados com o regime de confiança tutelada, um benefício que se aplica a pessoas que tenham sido condenadas por delitos comuns ou que aguardavam julgamento. Os processos foram revistos pela ministra dos Assuntos Penitenciários, Iris Varela”, explica a UJL na sua página na Internet.

Para passar ao regime de confiança tutelada, os presos devem comprometer-se a não reincidir, ter o apoio de um familiar, ter boa conduta e não representar um perigo para a comunidade.

Espero não voltar a vê-los nunca mais a entrar numa cadeia”, disse a ministra aos detidos.

À saída das prisões, situadas ambas a norte da cidade de Barquisimeto, os presos deixaram os seus uniformes azuis e amarelos no chão ou pendurados em arbustos, como um símbolo de liberdade.

Segundo aquela ONG, as autoridades venezuelanas comprometeram-se a melhorar as condições de reclusão dos cidadãos que continuam presos, alguns dos quais “apresentam doenças como tuberculose e quadros críticos de desnutrição”.

 
/ CE