O ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Franco Frattini, pediu esta quarta-feira «uma suspensão imediata das hostilidades» na Líbia para instaurar corredores humanitários de ajuda à população civil.

Os combates incessantes têm dificultado o tratamento dos feridos e o apoio à população civil, por isso Itália já apelou à suspensão dos bombardeamentos para que se proporcione ajuda humanitária nas zonas mais fustigadas pelos combates.

Frattini, que falava perante duas comissões da Câmara dos deputados, também pediu «informações claras e precisas», depois dos erros «dramáticos» que conduziram à morte de civis.

A China parece, por sua vez, querer ter uma voz influente no conflito. Pequim decidiu reconhecer o conselho nacional de transição como legítimo interlocutor, numa aparente pressão ao líder líbio para abandonar o poder.

Entretanto, no terreno, a situação está cada vez mais difícil. No Oeste do país, as forças de Khadafi estão a ganhar terreno aos rebeldes, apesar dos bombardeamentos da NATO.