A pequena Lilibet Diana tem menos de uma semana de vida, mas já muito se tem falado sobre o seu nome. Escolhido como uma dupla homenagem à avó e à bisavó, o nome gerou controvérsia em torno da família real britânica.

Lilibet é, na verdade, um diminutivo de Elizabeth, e é o nome usado de forma carinhosa e íntima pela família real para se referir à soberana, Isabel II.

Por um lado, o porta-voz dos duques de Sussex insiste que o casal não teria usado o nome se não tivesse o apoio da rainha. Aliás, Harry e Meghan alegam que a monarca foi mesmo a primeira pessoa quem o príncipe ligou.

Durante essa conversa, ele partilhou a vontade de chamar Lilibet à filha em sua honra. Se ela não tivesse apoiado, eles não teriam usado o nome", disse o porta voz.

Mas uma fonte do palácio real contesta agora que os duques de Sussex não terão avisado a rainha Isabel II que iriam chamar a filha com a sua alcunha. Em declarações à BBC, a fonte contradiz os relatos do casal que diz ter falado com Isabel II antes do nascimento da bebé.

"Lili", como os pais lhe chamam, é a primeira irmã de Archie e nasceu na sexta-feira, às 11:40, no Santa Barbara Cottage Hospital, na Califórnia, EUA.

O nome vem da infância da monarca, que não sabia pronunciar bem a palavra Elizabeth, então passou a chamar-se de “Lilibet”, algo que na família achavam simpático.  É por isso que o seu avô, o rei George V, começou a chamá-la assim carinhosamente e, como acontece em tantas famílias, no final a alcunha pegou.

O facto de Harry e Meghan terem escolhido este nome pode ser visto como uma oferta de paz à família, pela sua homenagem à matriarca, mas também como uma grande provocação para a família real. Isto porque acontece depois de uma longa temporada de confissões pessoais que se transformou em ataques à família.
 

Rafaela Laja