Um taxista foi o herói improvável do ataque terrorista que fez uma vítima, no passado domingo, em Liverpool. O ato de coragem do homem poderá ter evitado “um terrível desastre”, afirma a autarca local.

David Perry terá alegadamente trancado as portas ao bombista que seguia no seu táxi, impedindo que este entrasse no Liverpool Women’s Hospital. O homem acabou por detonar o engenho explosivo no interior do carro, morrendo de imediato.

O taxista ficou ferido sem gravidade, mas acabou por ser transportado para o hospital por precaução, tendo alta hospitalar poucas horas depois. 

O esforço heróico deste taxista ajudou a desviar o que poderia ter sido um terrível desastre”, afirmou Joanne Anderson, autarca da cidade de Liverpool.

O primeiro-ministro britânico também já elogiou a coragem do taxista, que poderá ter evitado a perda de muitas vidas, uma vez que as autoridades suspeitam que o plano do terrorista passasse por entrar no hospital.

Parece que o taxista em questão mostrou uma incrível coragem e presença de espírito”, afirmou Boris Johnson, numa primeira reação ao ataque.

Uma campanha de angariação de fundos para ajudar David Perry a pagar os tratamentos hospitalares já foi organizada e já conta com mais de 15 mil libras (aproximadamente 17.600 euros) para “ajudar uma pessoa que merece uma medalha” pelas suas ações.

Segundo o chefe da Polícia de Contraterrorismo no noroeste de Inglaterra, Russ Jackson, "as investigações agora vão continuar a procurar perceber como foi o dispositivo construído, a motivação para o incidente e perceber se alguém mais esteve envolvido".

A explosão aconteceu pouco antes das 11:00 de domingo, quando se celebrou o Remembrance Sunday, dia dedicado à memória dos soldados mortos em serviço em conflitos, incluindo nas missões mais recentes no Iraque e Afeganistão.

Jackson disse que os investigadores não encontraram uma relação entre os dois eventos, mas admitiu que "é uma linha de investigação” que a polícia está “a seguir".

Embora a motivação para este incidente ainda não tenha sido conhecida, dadas todas as circunstâncias, foi declarado um incidente terrorista”, afirmou, numa conferência de imprensa.

O passageiro tinha apanhado o táxi cerca de 10 minutos antes da explosão e pediu para ser levado para o hospital. 

As autoridades britânicas ainda não confirmaram a identidade do passageiro do táxi que transportava o explosivo. No entanto, a polícia já deteve quatro suspeitos que acreditam estar associados ao ataque.

Os detetives da brigada de contraterrorismo detiveram quatro homens com idades entre os 20 e os 29 anos.

Redação