Eric Carle, autor e ilustrador do livro infantil “A lagartinha muito comilona”, que encantou gerações de crianças e pais, morreu aos 91 anos no seu estúdio de verão em Northampton, Massachusetts.

A família disse que Carle morreu no domingo com os seus parentes a seu lado, tendo o anúncio sido feito pela Penguin Young Leaders.

Autor de mais de 70 livros, Eric Carle começou a ilustrar em 1967, depois de trabalhar numa agência publicitária.

Estudou na prestigiada escola de arte "Akademie der Bildenden Künste", na Alemanha, país onde residiu na sua infância.

Em 1952 regressou aos Estados Unidos onde trabalhou como designer gráfico no "The New York Times".

O primeiro livro de sua completa autoria foi "1,2,3, to the Zoo" (1968), ao qual se seguiu "The Very Hungry Caterpillar".

“The Very Hungry Caterpillar” (A lagartinha muito comilona) o livro mais conhecido de Carle, vendeu mais de 55 milhões de cópias em todo o mundo desde que foi publicado pela primeira vez em 1969.

Originalmente concebido como um livro sobre um leitor ávido - chamado “A Week with Willi the Worm” - o herói, que se alimenta de 26 alimentos diferentes, foi transformado em lagarta a conselho de seu editor. Vendeu cerca de 40 milhões de cópias e foi traduzido para 60 idiomas, gerou lagartas de animais empalhados e foi transformado em uma peça de teatro.

“Lembro-me de que, quando criança, sempre achei que nunca cresceria e seria grande, articulado e inteligente”, disse Carle ao The New York Times em 1994.

Através de livros como "Brown Bear, Brown Bear, What Do You See?" "Você quer ser meu amigo?" e “Da cabeça aos pés”, Carle introduziu temas universais em palavras simples e cores brilhantes.

“O desconhecido muitas vezes traz medo com ele”, observou certa vez.

“Nos meus livros tento neutralizar esse medo, substituí-lo por uma mensagem positiva. Acredito que as crianças são naturalmente criativas e ansiosas por aprender. Quero mostrar que aprender é realmente fascinante e divertido”.

Em 2003, recebeu o prestigiado prémio Laura Ingalls Wilder (agora chamado Children's Literature Legacy Award ) da American Library Association, que reconhece autores e ilustradores cujos livros criaram uma contribuição duradoura para a literatura infantil.

A Academia Americana de Pediatria enviou mais de 17.000 cópias especiais do livro para pediatras, junto com gráficos de crescimento e apostilas para pais sobre alimentação saudável.

O colega escritor e ilustrador Ted Dewan chamou o livro de um dos pilares da cultura infantil.

Carle escreveu e / ou ilustrou mais de 75 livros, às vezes em parceria com Bill Martin Jr. ou outros autores.

Um de seus últimos livros foi “The Nonsense Show”, de 2015, centrado num desfile de peixes voadores, ratos domadores de gatos e animais de circo.

Nascido de pais imigrantes alemães em Syracuse, Nova Iorque, Carle e sua família retornaram à Alemanha - Alemanha nazi, na época - quando tinha seis anos. Durante o período nazi a arte moderna, expressionista e abstrata foi proibida sendo apenas permitida a arte realista e naturalista.

Quando Carle tinha 12 ou 13 anos, um professor de arte mudou a sua vida, convidando-o para sua casa, mostrando-lhe secretamente a sua arte expressionista, incluindo o "Cavalo Azul" de Franz Marc.

“Eu estava habituado a pinturas bonitas com uma montanha ao fundo. Embora tenha ficado chocado, sempre carreguei aquele dia no meu coração ”, disse Carle à NPR em 2011.

Como ilustrador, disse que escolheu retratar animais em cores não convencionais para mostrar aos seus jovens leitores que na arte não há cor errada, tendo agradecido a Marc nas páginas de “O Artista que Pintou um Cavalo Azul”.

A sua técnica de ilustração característica foi feita juntando imagens principalmente de papel de seda que pintou com várias cores e texturas.

“Parece piegas, mas acho que me conecto com a criança em mim, e acho que os outros também”, disse ele à Associated Press em 2003.

. / HCL