O temporal que se fez sentir no início do último fim de semana no Rio de Janeiro revelou uma triste realidade na Praia de São Conrado, na zona Sul da cidade. O areal foi invadido por toneladas de lixo, sobretudo plástico trazido pelo mar.

As imagens do areal coberto por garrafas de plástico foram captadas pelo Instituto do Mar Urbano e divulgadas por campeões do surf como Kelly Slater e Gabriel Medina e correram mundo.

O brasileiro Gabriel Medina partilhou o vídeo e questionou como há pessoas que deixam lixo na praia e se sentem bem. "Tem gente vivendo em outro mundo", escreveu.

As imagens foram captadas por Ricardo Gomes, diretor do Institutodo Mar Urbano. Durante um live no Instagram, Ricardo Gomes mostrou garrafas de plástico e outros objetos, como bolas e bonecas. Nas imagens é possível ouvir um barulho mais forte, que era nada mais, nada menos do que uma onda, carregada de lixo a bater numa rocha. O responsável classificou o fenómeno de "tsunami de plástico".

Esta segunda-feira, Ricardo Gomes voltou a comentar as imagens: "Pego onda no Rio de Janeiro há 40 anos. Nunca vi a água bater na pedra daquele jeito. Eu virei por causa do barulho. Esse é o chamado do oceano que a gente tem que começar a entender. A gente depende do oceano vivo para sobreviver. Essa onda foi o chamado do oceano. A gente tem que mudar nossos hábitos.”

O responsável fala num perigo que cresceu com a pandemia. Com os confinamentos, aumentou o recurso ao serviço de take away e, entre o lixo que deu à costa, é possível ver muitas embalagens de comida.

O que mais tinha ali eram pedaços de embalagem de comida, de isopor [esferovite]", relatou.

Manuela Micael