O polícia britânico, acusado de raptar e abusar sexualmente de Sarah Everard, assumiu esta terça-feira os crimes.

Wayne Couzens, de 48 anos, declarou-se culpado no tribunal penal de Old Bailey, em Londres, antes do julgamento cuja data provisória de arranque está marcada para 25 de outubro.

O desaparecimento na noite de 3 de março de Sarah Everard, de 33 anos, enquanto se deslocava para casa depois de visitar amigos, chocou o Reino Unido e relançou o debate sobre a segurança das mulheres no espaço público.

O corpo da mulher londrina foi encontrado uma semana depois, num bosque na região de Kent, no sudeste do Reino Unido, sem que a causa da morte tenha sido divulgada.

O desaparecimento na noite de 3 de março de Sarah Everard, de 33 anos, enquanto se deslocava para casa depois de visitar amigos, chocou o Reino Unido.

Wayne Couzens foi formalmente acusado do sequestro e assassínio de Sarah Everard.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que iria alocar fundos adicionais para melhorar a iluminação das ruas de Londres e prometeu um reforço de patrulhas de polícia.

A polícia de Londres, no entanto, é criticada por excesso de violência, depois de ter atuado de forma dura perante os manifestantes que prestavam homenagem a Sarah Everard, num evento que estava proibido por causa das medidas de contenção contra a pandemia de covid-19.

Rafaela Laja