O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura disse, esta segunda-feira, estar “chocado” com o caso de um arrendamento ilegal no Airbnb de um quarto numa residência da Universidade de Macau e revelou que está em curso uma investigação.

Quando soube ontem (domingo) deste caso fiquei surpreendido, fiquei chocado. Como é possível a residência universitária servir de pensão ilegal? Não é aceitável, fiquei muito chocado. Já falei com reitor da universidade e muito em breve vai apresentar um relatório de investigação”, afirmou Alexis Tam.

O mesmo responsável garantiu ter contactado as instituições de ensino superior do território, defendendo que este caso não pode voltar a repetir-se e, apesar da situação estar a ser investigada pela universidade, ressalvou que este é um episódio excecional: “Não podemos dizer que as residências universitárias em Macau são usadas como pensões ilegais”.

No domingo, uma publicação da associação de estudantes da Universidade de Macau, o Orange Post, informou que a instituição ordenara a expulsão de um aluno de mestrado por este ter arrendado ilegalmente o quarto da residência universitária na plataforma online de alojamento particular Airbnb.

Em duas publicações na rede social Facebook, escritas em chinês, o Orange Post indicou que o preço pedido rondava pouco mais do que as 300 patacas (cerca de 30 euros), que o estudante negou estar a cometer qualquer ilegalidade e que o departamento de recursos estudantis assegurou que a gestão da residência universitária será amplamente analisada e que a sensibilização dos alunos será reforçada.