O italiano Rocco Morabito, acusado de ser o chefe da 'Ndrangheta, a máfia italiana da Calábria, foi capturado na segunda-feira, na cidade de João Pessoa, no Brasil, anunciou hoje fonte policial.

Segundo uma nota da Polícia Federal do Brasil, a prisão de Morabito "foi fruto de uma operação conjunta" realizada pelas autoridades dos dois países e que cumpriu um mandado de prisão para fins de extradição expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Outro cidadão italiano que estava com Morabito e não foi identificado também foi capturado na mesma operação e, segundo a Polícia brasileira, também será solicitado que sua extradição seja autorizada pela justiça.

A Polícia Federal frisou na nota que há registos da atuação de Rocco Morabito com a organização do tráfico de droga entre Brasil e a Europa desde a década de 1990, conforme investigação à época realizada no âmbito de uma operação denominada King.

O alegado chefe da 'Ndrangheta foi acusado de transportar e vender drogas em Itália, mais precisamente de ter tentado importar do Brasil 592 quilos de cocaína em 1992 e 630 quilos da mesma droga em 1993.

Operações mais recentes da Polícia Federal brasileira também indicaram a relação das atividades da Ndrangheta com organizações criminosas brasileiras.

As fugas da prisão em 1994 e em 2019

Aos 23 anos, em Milão, Rocco Morabito conquistou rapidamente uma reputação no mundo das drogas local, tornando-se até mesmo uma figura carismática no negócio da noite.

A sua atividade e ligação a traficantes colombianos chamaram a atenção da polícia italiana. Escapou da prisão em 1994 em Milão e desde então é procurado pelos tribunais do seu país, que o condenaram à revelia a 28 anos de prisão, sentença posteriormente aumentada para 30 anos.

Morabito estava em fuga desde junho de 2019 quando escapou com três outros internos da prisão central de Montevideu, no Uruguai, por um buraco no telhado, provavelmente subornando vários guardas.

Esta fuga desencadeou uma verdadeira caça ao homem, em vão, e resultou na demissão do chefe da administração penitenciária onde aguardava a extradição para Itália.

/ CP