Uma emigrante portuguesa, de 50 anos, está a ser acusada pelo Ministério Público francês de ter escondido a filha na mala do carro durante dois anos. Rosa Maria da Cruz é acusada da prática do crime de abandono e de constantes maus-tratos e enfrenta uma pena que pode ir até 20 anos de prisão.

Rosa Maria da Cruz também fechava a filha, Serena, na cave de casa, em condições desumanas, para que o marido ou algum dos outros três filhos não se apercebessem.

O caso foi descoberto em 2013, quando a carrinha onde a criança era mantida fechada avariou. Os funcionários da oficina tinham ordens específicas de Rosa para que não abrissem a mala, mas os gemidos que ouviram deixaram-nos em alerta e levaram-nos a encontrar Serena.

De acordo com a imprensa francesa, a menina, de apenas dois anos, estava nua, envolta em fezes e restos de comida e tinha apenas um cesto podre para dormir quando foi encontrada.

Descobri a menina na mala do carro, nua, ao lado de um berço podre e nojento. O cheiro era tão forte que até saltei”, disse Denis Latour, o mecânico da “Terrasson Garage” à emissora France Info.

Outro mecânico que encontrou Serena afirmou que a mãe estava “a fumar o seu cigarro e parecia muito relaxada e calma”.

Quando as autoridades chegaram, a mãe negou que a filha vivesse na mala do carro, mas disse que a mantinha escondida na cave.

O estado físico da menina era extremamente débil. As autoridades confirmaram que a menina sofria de desnutrição e aparentava sofrer de vários problemas de crescimento.

Além dos problemas físicos, Serena é autista e muda. Agora, com sete anos, a criança vive com uma família adotiva francesa.

Rosa Maria da Cruz é natural da Póvoa de Lanhoso, em Braga, mas vive em França há vários anos, tal como o marido, que também é português. O casal tinha já três filhos quando Rosa engravidou. Mas ninguém soube. A portuguesa deu à luz sem que ninguém se apercebesse.

O julgamento começou esta segunda-feira, em Tulle, e a portuguesa disse em tribunal estar arrependida das suas ações. Rosa Maria da Cruz pode apanhar uma pena até 20 anos de prisão.

Arrependo-me muito do mal que fiz à Serena”, afirmou.