O filho de um português é um dos oito mineiros que entraram no túnel para tentar resgatar Julen, o menino de dois anos que caiu num furo de água no último domingo, em Totalán, Málaga.

Lázaro Alves Gutiérrez tem motivos pessoais para fazer parte da Brigada Central de Salvamento Mineiro. O seu pai, Eduardo Augusto Alves, natural de Quintela de Lampaças, Bragança, mas a viver em Gijón desde os 20 anos, morreu, com apenas 35, no acidente de Nicolasa, em 31 de agosto de 1995, a maior tragédia mineira das Astúrias.

Catorze mineiros morreram nesta mina de carvão, na sequência de uma explosão de gás metano que ninguém previu e consegue explicar. Lázaro e o seu irmão ficaram órfãos de pai, nem dez anos tinham, escreve o El Espanol.

E, as recordações do pai, não lhe deram outro caminho que o da Brigada de Salvamento, onde está há mais de uma década, ele que terá agora a mesma idade do pai quando Eduardo morreu.

Lázaro participa desde a tarde de quinta-feira nas escavações do túnel horizontal de quatro metros para tentar chegar ao túnel vertical onde caiu Julen.

A coordenação da complicada operação está a cargo do diretor técnico da Brigada, Sergio Tuñón, e do também engenheiro Antonio Ortega. Lázaro está entre os seis especialistas que completam a equipa, a saber Maudillo Suárez, José Antonio Huerta, Jesús Fernández Prado, Rubén García Ares e Adrián Villaroel.

Se alguém pode fazer isto são eles", afirmou o presidente do Principado das Astúrias, Javier Fernández, sobre a Brigada de Salvamento.

Já nesta sexta-feira, em declarações às dezenas de jornalistas que seguem o resgate, o porta-voz da Faculdade de Engenheiros de Minas do Sul, Juan López-Escobar, disse que os mineiros não se sentem heróis e que até estão "um pouco assoberbados com todo o mediatismo", mas que, por outro lado, também compreendem que toda a Espanha esteja de olho neles.

Julen, de dois anos, caiu num furo de prospeção de água às 14:00 de 13 de janeiro e, desde então, uma centena de pessoas participam na operação de resgate da criança.

Na passada quarta-feira, as autoridades espanholas localizaram vestígios biológicos que permitem ter a certeza de que o pequeno Julen está mesmo dentro do furo, depois de a versão dos pais ter sido colocada em causa.

Na terça-feira, a justiça espanhola abriu uma investigação para conhecer as circunstâncias exatas em que o bebé de dois anos caiu no furo.