Mais de mil pessoas marcharam este domingo até à sede do governo da província de Chahar Mahal-Bakhtiari, no sudoeste do Irão, para exigir uma solução para a escassez de água, que se deve, sobretudo, à seca no país.

De acordo com a televisão estatal, os manifestantes insurgiram-se também contra os atuais planos de transferência de água desta província para outras regiões vizinhas.

É proibido desviar água de Chahar Mahall”, gritavam os manifestantes, segundo as imagens televisivas, nas ruas da capital provincial, Shahr-e-Kord, apelando também à coordenação com outras províncias que sofrem de falta de água potavel.

As pessoas expressaram ainda a sua revolta contra a secagem da maior parte das nascentes, poços, aquedutos e rios sazonais da província e, em especial, do rio Zayandeh. O principal curso de água daquela região tem sofrido com a seca desde 2000, exceto por breves períodos, mas o desvio do rio pelas autoridades para abastecer a província vizinha de Yazd é apontado igualmente como uma causa para a seca deste rio.

Chahar Mahall-Bakhtiari situa-se a oeste de Esfahan, onde as pessoas protestaram na semana passada contra a secagem do rio Zayandeh.

O Presidente iraniano, Ebrahim Raissi, prometeu no passado dia 11 de novembro resolver o problema da água em Isfahan, Yazd e Semnan. Já o líder supremo, Ayatollah Ali Khamenei, descreveu a questão como "o problema do país", sem se referir às manifestações.

/ NM