Pelo menos sete pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas este domingo no Haiti em manifestações para exigir a demissão do Presidente Jovenel Moise, de acordo com os organizadores da mobilização.

Milhares de haitianos saíram à rua na capital, Port-au-Prince, e em várias cidades do país para exigir uma investigação mais alargada ao destino dado aos fundos da venda dos carregamentos de petróleo provenientes da Venezuela.

Até ao momento, contamos com sete mortos e mais de 100 feridos", lamentou em conferência de imprensa o porta-voz do setor democrático, André Michel, denunciado o abuso da força policial.

Várias testemunhas disseram à agência de notícias Efe que uma pessoa foi apedrejada até à morte pela polícia junto à residência oficial do Presidente.

O movimento Petrochalenger descreveu como "inaceitável" o comportamento de muitos agentes policiais e pediu a continuação dos protestos. Vários grupos e sindicatos já anunciaram uma greve para hoje e terça-feira.

Entre os manifestantes contam-se elementos da sociedade civil, membros de partidos políticos, grupos religiosos e ativistas comunitários.