No Chile, os manifestantes continuam nas ruas, mesmo depois de o presidente ter pedido desculpa e anunciado um pacote de medidas sociais como tentativa de apaziguamento. 

Já morreram 18 pessoas desde o início dos protestos.

Os chilenos não abandonam as ruas e as batidas de tachos fazem-se ouvir em frente ao Palácio Nacional La Moneda.

Os protestos começaram na semana passada, depois de uma subida no preço dos bilhetes do metro. O governo recuou, mas as manifestações continuam,  agora contra as desiguladades sociais.

O presidente Sebastian Pinera já fez mea culpa.