O grupo civil sírio de salvamento e resgate divulgou, na internet, o seu "Mannequin Challenge" na cidade de Alepo. Nas imagens “congeladas” aparecem dois homens que retiram um ferido do meio dos escombros.

Mas o vídeo, da autoria das Forças Revolucionárias da Síria (RFS), publicado no YouTube, não serve o mesmo propósito dos demais desafios difundidos na rede.

O desafio do manequim de Alepo surge como um alerta para o mundo sobre as condições de resgate e a destruição que se abateu sobre a cidade. Os combates e bombardeamentos por parte do exército sírio, apoiado pela Rússia, mas também pela coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos tem vitimado centenas de civis e deixado um rasto de destruição.

Desde terça-feira, altura em que o regime de Bashar al-Assad retomou os ataques aéreos depois de três semanas de calmaria, os bombardeamentos sobre a cidade síria já mataram mais de 300 pessoas nos distritos a leste de Alepo, controlados pelos rebeldes.

Um porta-voz RFS disse à CNN o grupo usou a hashtag #MannequinChallenge para "atingir o público ocidental" e "mostrar-lhes parte do sofrimento sírio."

A força das imagens disputou críticas nas redes sociais. Muitos internautas não perceberam a mensagem, mas a RFS fala em “erro de julgamento”.

"Este vídeo e os cargos relacionados foram registados pela RFS com voluntários sírios da Defesa Civil, que esperavam criar uma conexão entre o horror da Síria e o mundo exterior usando o viral 'desafio Mannequin'. Este foi um erro de julgamento, e pedimos desculpas em nome dos voluntários envolvidos ", referiu a RSF em comunicado, citado pela cadeia de televisão norte-americana.