A polícia da Bélgica lançou esta quarta-feira uma autêntica caça ao homem. O alvo é Jurgen Conings, homem conotado com ideais de extrema-direita, e que desapareceu na segunda-feira depois de ter ameaçado o principal virologista do país, Marc Van Ranst.

O especialista tornou-se num rosto familiar na Bélgica durante a pandemia de covid-19, fazendo várias aparições nos meios de comunicação, onde costuma defender as vacinas e a imposição de restrições para controlar os contágios.

Jurgen Conings, militar de profissão, saiu de casa e não foi visto desde então, sendo que as autoridades já anunciaram oficialmente que estão à procura do suspeito.

Há indicadores de que ele é violento e de que que pode ser uma ameaça séria", confirmou o ministro da Justiça, Vincent Van Quickenborne, em declarações à VTM Nieuws, o que veio confirmar este como um caso que está a ser tratado pelas mais altas instâncias belgas.

Jurgen Conings ameaçou Marc Van Ranst e toda a família do virologista, que acabaram por ser levados para um local seguro. Esta terça-feira, foram encontradas várias armas no carro do suspeito na cidade de Dilsenm no oeste da Bélgica.

Do quartel onde costuma estar desapareceram várias pistolas e armas automáticas, tal como um colete antibalas, um "arsenal suficiente para uma pequena guerra", segundo informaram as autoridades.

 

O ministro da Justiça diz que o suspeito já figurava na lista das autoridades como uma potencial ameaça, nomeadamente por causa das tendências de extrema-direita.

Ser contra as medidas de restrição e contra as vacinas coincide muitas vezes com a glorificação da violência e o racismo brutal... Deixemos uma coisa clara: tais ameaças não me impressionam", escreveu Marc Van Ranst, o visado das ameaças, no Twitter.

 

António Guimarães