Um momento de história, que o presidente português, em visita oficial a Cuba, pôde saudar em Havana.

Acabo de saber do resultado da votação nas Nações Unidas. É um dia histórico, para nós, também. É um dia histórico. Muitas felicidades", declarou o chefe de Estado, falando de forma improvisada em Castelhano.

Em Nova Iorque, a assembleia geral das Nações Unidas votou, mais uma vez, uma resolução pelo fim do embargo comercial e económico a Cuba criado pelos Estados Unidos. Historicamente, foi a primeira vez que os norte-americanos não votaram contra: abstiveram-se.

É um dia histórico", foi a primeira ração de Marcelo Rebelo de Sousa em visita oficial a Havana,.a primeira de um chefe de Estado português.

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante um fórum empresarial, num hotel da capital cubana, na presença do vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, Ricardo Cabrisas Ruíz.

Em Havana, Marcelo tem encontro marcado com o presidente de Cuba, Raul Castro, e eventualmente com o seu irmão e histórico antecessor, Fidel.

Imprensa oficial cubana rejubila

A votação na Assembleia Geral das Nações Unidas é realçada pelo jornal oficial do partido comunista cubano. Na edição online - onde a visita do presidente português tem sido noticiada com pormenor - é sublinhado que a moção pelo fim do bloqueio foi aprovada sem votos contra.

O total de 191 países votou a favor da resolução, sem qualquer voto contra e apenas duas abstenções - dos Estados Unidos e de Israel - pela primeira vez", escreve o jornal Granma.

O fim do embargo norte-americano a Cuba é também referido pelo Granma, a propósito da visita oficial do Presidente português, que logo à chegada realçou o bom estado das relações diplomáticas com Havana.

Um voto unânime foi recentemente aprovado no Parlamento português condenando o bloqueio a Cuba", escreve o Granma sobre as declarações de Marcelo, ao aterrar no aeroporto José Martí, em Havana.

O jornal refere ainda os propósitos empresariais incluídos na visita do Presidente português.

Venho acompanhado de uma grande delegação de empresários interessados em explorar as oportunidades e interesses comuns em ambos os países", disse Marcelo Rebelo de Sousa, citado pelo Granma.

O jornal realça ainda o contingente de médicos cubanos a trabalhar em Portugal desde 2009, havendo hoje 40 clínicos em 28 cidades portuguesas.

Redação