O Governo espanhol decidiu que os trabalhadores em atividades não essenciais que não conseguem trabalhar em casa podem regressar às suas atividades laborais a partir de segunda-feira, 13 de abril, mas propõe manter o estado de emergência.

O Conselho de Ministros espanhol também decidiu propor ao parlamento prolongar o estado de emergência em vigor durante mais duas semanas, de 11 até 25 de abril.

Todos aqueles que trabalham em casa vão continuar a fazê-lo, mas os que não o podem fazer são autorizados a deslocar-se, apenas até ao seu local de trabalho, uma medida que esteve suspensa durante duas semanas.

Esta "medida excecional" afetou, por exemplo, os trabalhadores em setores como a construção, que ficaram em casa durante as últimas duas semanas com licença remunerada, recebendo o respetivo salário normalmente.

Estes trabalhadores terão de compensar os empregadores, de "forma paulatina", por este período de inatividade, até ao fim do ano.

A porta-voz do executivo espanhol e ministra das Finanças, María Jesús Montero, considerou que a medida de suspensão da atividade económica que termina esta semana "tem sido extraordinariamente eficaz" e que, a partir de agora, serão tomadas mais medidas para retomar o resto do trabalho.

Segundo ela, o Governo espanhol está “a trabalhar em vários cenários e a seu tempo anunciará” essas medidas, que dependem da evolução da pandemia.

"Serão adotadas à medida que formos assistindo à diminuição” da pandemia, disse Montero, depois de sublinhar que o executivo não quer especular sobre o regresso ao trabalho normal, uma vez que isso dependerá de questões técnicas e científicas.

"Estamos a fazer as coisas com prudência. O que é urgente é tentar voltar ao trabalho normal na próxima semana", insistiu.

A população vai assim continuar confinada em casa, podendo apenas deslocar-se para ir trabalhar, aqueles que não o podem fazer através de teletrabalho, ou para abastecer-se de bens essenciais.

A Espanha é um dos países mais atingidos pelo novo coronavírus, responsável pandemia da covid-19, que já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 708 mil infetados e mais de 55 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 16.523 óbitos em 132.547 casos confirmados até segunda-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 13.798 mortos, entre 140.510 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos, com 10.994 mortos, são o que contabiliza mais infetados (368.449).

/ AM