Um incêndio que lavra desde a tarde de terça-feira em Castellví de Rosanes e Martorell, em Barcelona, já queimou mais de 220 hectares, na sua maioria terreno florestal, naquele que é o pior incidente ocorrido este verão na Catalunha.

De acordo com a agência EFE, as chamas diminuíram de intensidade durante a madrugada, mas o vento provocou reacendimentos em algumas áreas. Cerca de 67 equipas dos serviços de emergência e 230 operacionais combateram o incêndio durante toda a noite.

 

Neste momento, tudo aponta para que o incêndio tenha sido provocado por negligência humana - agentes florestais já recolheram várias provas e foi aberto um processo no Tribunal de Martorell.

Esta quarta-feira de manhã, 75% do fogo já tinha sido estabilizado, explicou o chefe operacional dos Bombeiros da Generalitat, Jordi Solà, em declarações à Rac1. 

Depois de uma noite de muito trabalho, o fogo continua ativo mas a intensidade das chamas diminuiu consideravelmente, coincidindo com o aumento progressivo da humidade. Porém, e principalmente no flanco direito, ocorreram alguns reacendimentos devido ao vento que começou a soprar na área”, explicou Jordi Solà.

 

 

 

O Grupo de Ações Florestais (GRAF) e as Equipas Ativas de Prevenção Florestal (EPAF) têm trabalhado com meios mecânicos, manuais e técnicos em diferentes pontos do incêndio, com o objetivo de ancorar o perímetro, tal como as áreas de proximidade. 

O incêndio começou próximo à urbanização Can Sunyer a partir das 16:00 horas de terça-feira e o seu movimento oscilou em diferentes direções, o que complicou o trabalho dos bombeiros.