Um jovem de 21 anos fez-se passar por médico e infiltrou-se num hospital em Martorell, em Espanha, em plena pandemia do novo coronavírus.

As suspeitas foram levantadas depois de o falso médico ter ligado à família de um doente que estava internado com covid-19, e que veio a falecer.

O alerta foi dado pelos familiares após o telefonema que informava que o idoso não tinha resistido à doença.

"O falso médico ligou para eles, disse que o pai deles tinha morrido e desligou", lembra o advogado da família de Josep ao El País.

E não demorou muito para que todos soubessem a verdade: quem tinha assinado o atestado de óbito do idoso não tinha sido um jovem médico brilhante, mas sim um intruso que aproveitou os piores momentos da pandemia para entrar num hospital.

Jesús Gimenéz enganou todos os médicos e funcionários ao usar uma cédula profissional de um médico reformado, falsificou o Curriculum Vitae.

Sem formação académica

Segundo as autoridades, aos 21 anos, Gimenéz “nem teria terminado o curso de medicina, quanto mais já ter o diploma de neurocirurgião. Ele não tem formação em nada”.

O jovem está em prisão preventiva desde abril, indiciado por vários crimes, entre eles, fraude e falsificação de documentos.

Na altura da detenção, a polícia deteve o jovem em casa, em Terrassa (Barcelona), onde morava com a mãe e os irmãos.

“Ele não ofereceu resistência. Estava muito seguro de si. Disse o que tinha feito”, afirmaram as fontes policiais.

 
Lara Ferin / LF