As autoridades australianas disseram esta segunda-feira ter retirado cerca de 18 mil pessoas nos últimos dias, na sequência de inundações registadas na costa leste do país e consideradas as piores em mais de cinco décadas.

Pelo menos 15 mil pessoas foram retiradas da costa norte-central da Nova Gales do Sul, enquanto três mil são residentes de bairros na parte ocidental de Sidney, indicou a chefe do governo do estado da Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian.

Muitas das áreas inundadas no auge da pandemia da covid-19 tinham sido também afetadas pelos incêndios florestais em 2019 e 2020, bem como por uma seca severa.

Não conheço nenhum momento da história do nosso estado em que tenhamos tido este tipo de clima extremo em tão rápida sucessão de tempo e no meio de uma pandemia", disse Berejiklian aos jornalistas.

"Estamos a preparar-nos para uma semana muito difícil", acrescentou a responsável de Nova Gales do Sul, o estado mais populoso da Austrália, observando que até agora não foram relatadas mortes ou ferimentos graves.

No fim de semana, as autoridades australianas declararam 38 localidades, incluindo vários bairros na parte ocidental de Sydney, como zonas de catástrofe natural, após chuvas torrenciais que inundaram estradas e casas.

As inundações também perturbaram o transporte urbano, forçaram o encerramento de cerca de 200 escolas e isolaram algumas localidades na costa norte-central da Nova Gales do Sul, pelo que o Governo australiano não excluiu o destacamento do exército se os governos regionais assim o exigirem.

Temos helicópteros prontos e apoios para operações de busca e salvamento", disse o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, à estação de rádio 2GB, lembrando que o Governo dará assistência financeira às pessoas afetadas por esta catástrofe.

No estado vizinho de Queensland, na fronteira com Nova Gales do Sul, chuvas torrenciais estão também a afetar a zona e as autoridades disseram temer inundações durante a semana.

A extensão dos danos das cheias em Nova Gales do Sul ainda não é conhecida, mas o chefe executivo do Conselho de Seguros da Austrália, Andrew Hall, disse que as companhias pertencentes ao organismo receberam já cinco mil comunicações, de acordo com a imprensa local.

/ MJC