A Arábia Saudita suspendeu temporariamente a entrada de peregrinos e turistas que queiram visitar lugares sagrados como a mesquita de Maomé, Meca e Medida por causa do novo coronavírus.

Esta decisão faz parte de uma lista de medidas que o Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita tomou com o objetivo de “prevenir e eliminar” a expansão do COVID-19.

Na lista de medidas divulgada está a “suspensão temporária da entrada no reino para os propósitos da umra", uma peregrinação a Meca que é realizada anulamente por milhões de muçulmanos. 

Além disso, todos os turistas provenientes de países afetados pelo surto de coronavírus estão impedidos de entrar no reino.

No final do ano passado, a Arábia Saudita abriu-se ao turismo, introduzindo novos vistos. Até então, o país quase só emitia vistos de trabalho, a peregrinos (particularmente pela peregrinação a Meca) ou por causa de eventos desportivos ou culturais.

A Arábia Saudita tem os lugares mais sagrados do Islão. Só Meca é visitada por 1.800 milhões de muçulmanos de todo o mundo. 

Estas medidas surgem a poucos meses da grande peregrinação anual a Meca, que este ano começa em julho.

Até o momento, a Arábia Saudita não registou casos de coronavírus no país, embora alguns dos seus cidadãos que residem noutros países tenham sido infetados. 

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infetadas, de acordo com dados reportados por 48 países e territórios.

/ PC