Um cirurgião plástico foi ouvido em tribunal, na última quinta-feira, enquanto operava um paciente. Aconteceu durante uma audiência sobre um incidente de trânsito, em Sacramento, na Califórnia.

O médico, Scott Green, apareceu na audiência por videoconferência por Zoom, equipado e na sala do bloco operatório. De acordo com o jornal local Sacramento Bee, ao ver que o médico estava a operar, o juiz questionou-o se se considerava em condições para prosseguir com a audiência. Scott Green respondeu que sim, até porque tinha “outro cirurgião aqui ao lado a operar comigo”.

Já antes de entrar na audiência, transmitida em direto no YouTube, o médico tinha sido questionado por um oficial de justiça:

- “Olá, sr. Green? Está pronto para o julgamento? Parece que se encontra numa sala de cirurgias.”

- “Sim, senhor. Estou, de facto, numa sala de cirurgia. Sim, estou disponível para o julgamento. Pode prosseguir.”

O oficial de justiça foi alertado que a audiência iria ser transmitida em direto, já que, por lei, na Califórnia, os julgamentos sobre incidentes de trânsito tê de ser abertos ao público.

Scott Green pareceu não se importar com isso e, enquanto aguardava que o juiz entrasse em sala, continuou a operar o paciente.

Assim que o juiz Gary Link entrou na sala, não escondeu a surpresa: “Bem… a menos que esteja enganado, estou a ver um arguido que está no meio de um bloco operatório e parece estar ativamente emprenhado na prestação de cuidados a um doente. Estou correto, senhor Green? Ou devo chamar-lhe doutor Green?”

Depois de o cirurgião confirmar que estava a operar e que não se importava de continuar a audiência, foi o juiz quem preferiu adiar o julgamento.

Não me sinto confortável, até pelo bem-estar do doente, que esteja a operar enquanto eu o estou a julgar, apesar de ter aqui ao meu lado o agente da polícia que o autuou.”

O médico ainda insistiu que era capaz de fazer as duas coisas ao mesmo tempo, mas o magistrado foi perentório: “Não creio e não creio sequer que seja apropriado. Vou reagendar a audiência para uma data em que não esteja ativamente envolvido na prestação de cuidados a um doente.”

A entidade equivalente à Ordem dos Médicos na Califórnia avançou, em comunicado, que vai averiguar as circunstâncias do incidente, acrescentando que “espera que os médicos prestem cuidados de saúde standard aos pacientes”.

Manuela Micael