Melania pediu, Trump anuiu. Mira Ricardel deixou as suas funções de assessora de segurança nacional do presidente, com quem a primeira-dama se desentendeu durante a recente viagem a África, no mês passado. 

A Casa Branca já confirmou que a vice-conselheira vai "transitar para uma nova função dentro da administração", na qual não terá qualquer contacto com Melania.

Em comunicado, a porta-voz de Melania Trump, Stephanie Grisham, foi dura nas palavras sobre Mira Ricardel.

"Para o gabinete da primeira-dama, ela não merece mais a honra de servir a Casa Branca", escreveu a diretora de comunicação, citada por um repórter da televisão norte-americana ABC.

Já a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, colocou, quarta-feira, alguma água na fervura, anunciando que Mira Ricardel "vai continuar a aconselhar o presidente enquanto decorre a sua transferência para um novo papel na Administração". "O presidente agradece a Mira Ricardel o seu trabalho para com o povo americano", terminou Sanders, citada por um jornalista do The Washington Post

Segundo a imprensa norte-americana, Melania Trump e Mira Ricardel discutiram sobre os lugares no avião durante a viagem a África.

Em entrevista à ABC durante essa viagem, a primeira-dama disse não confiar em algumas pessoas que trabalham na Casa Branca, declarações que estão agora a ser associadas a Mira Ricardel. 

Melania admitiu, também, que deu ao presidente "conselhos e opiniões honestas" para "ele decidir o que fazer".

O The Wall Street Journal escreve que a primeira-dama acredita que a assessora de segurança nacional é a fonte de algumas "histórias negativas" sobre si e a sua equipa. De acordo, ainda, com este jornal, Melania teve várias discussões com o secretário da Defesa James Mattis sobre "decisões sobre staff".